NOSSA GALERIA


                                                                   

ELAS VIERAM DO CÉU.

ELAS VIERAM DO CÉU.

Fábio Soares Campos

Antes achava eu que as palavras, possuíam a capacidade de promover alguns fenômenos: causar alegria, promover uma rebelião, libertar uma nação, fazer chover etc. Depois descobri que seus atributos iam bem mais além disso, que elas possuíam determinados poderes: de provocar desprendimento de força, movimento, raiva, euforia. Hoje em dia, tenho plena convicção que elas, as palavras, possuem todos os atributos inerentes a nós, seres humanos. São possuidoras de corpo, alma, espírito, aura. Elas vieram do céu.

Há palavras que salvam: S.O.S. Palavras que curam: Biotônico Fontoura! Palavras que libertam: Habeas corpus. Palavras que unem: “...estão casados!”, ou separam: “...estão divorciados.”, palavras que alegram [Hip!Hip! Urra!], ou entristecem [Nota de falecimento, convite...] palavras que abraçam [Olá!], que afagam [ Fofura!], que protegem [Deus lhe proteja]. Palavras que criam: Eureka!

O corpo da palavra é o formato da letra, sua forma: escrita, desenhada, pintada etc. A alma é o seu significado, o espírito aquilo que evoca. Sua aura é a carga de energia que comporta e canaliza quando pronunciada, escrita, digitada, carga essa que pode ser negativa ou positiva. Alguém seria capaz de decifrar a magia que existe por trás dum sincero: Bom dia! Dum sagrado: Deus te abençoe. Dum cordial: Adeus! Dum efusivo: Viva!... A centelha de vida por trás dum: Salve!... A espontaneidade, e animosidade duma calorosa salva de palmas.

As redes sociais, são o shopping, o mercado livre, os entrepostos das palavras. Ali elas viram moeda de troca. Há uma mensagem no watsapp, alertando para o perigo de se estar deliberadamente fazendo uso abusivo de palavras de baixo escalão: Peste, Bubônica, Bexiga, Gota Serena, Cancro. Vejam, todas são doenças infectocontagiosas. Se evocamos com toda a carga virão. 

Também a palavra: “danado” 
Segundo a webenciclopédia Google, o significado de: “DANADO - adjetivo, substantivo masculino: que, ou o que foi prejudicado, corrompido, estragado; que, ou aquele, que foi CONDENADO às penas do inferno, maldito. Meu saudoso avô materno, Thomaz Doroteu, alertava que ninguém merecia ser chamado de “IDIOTA”. O Google vai dizer que: “IDIOTA é: substantivo, adjetivo de 2 gêneros: que carece de inteligência, tolo, ignorante, estúpido.”

No Livro de Gênesis Cap 1,vs.3 Deus disse: “Faça-se a luz!” Em Latim: “Fiat Lux!”. E a luz se fez. Duas palavras foram suficientes para acabar com as trevas. No Evangelho de São Mateus Cap. 8 vs. 2,3: “Eis que um leproso aproximou-se e prostrou-se diante dele, dizendo: “Senhor se queres, pode curar-me.” Jesus estendeu a mão, tocou-o e disse: “Eu quero, sê curado.” Necessárias foram apenas quatro palavras, e o homem foi curado.

Deus mesmo, todos sabemos, não é nome próprio. Trata-se de substantivo comum. Serve para designar qualquer divindade. Mas, e Deus tem nome? O próprio Moisés faria essa pergunta a Ele, no episódio da Sarça Ardente. E Deus respondeu: “Eu sou aquele que sou.” Livro do Êxodo Cap 3-14” Mais a frente, também em Êxodo [6-3] Ele vai dizer: “Apareci a Abraão, a Isaac e a Jacó como o Deus Todo-Poderoso, mas não me dei a conhecer a eles pelo meu nome, Javé.”

Quem já teve que fazer um TCC (Trabalho de Conclusão de Curso) sabe o quão difícil é, tal empreendimento. Quem escreve, precisa entender que cada pessoa que lê, interpreta a sua maneira. O seu professor orientador, é outra pessoa, com um cabedal de conhecimentos e experiências que somente ele possui. 

Escrever um livro, seja que estilo literário for, contos, romance, poesia. Fazer uma redação, também. Nada fácil fazer-se entender. Dentre os mais de 4 milhões de candidatos ao Enem/2017. 309 mil tiraram nota Zero em Redação. Nada fácil, simplesmente com palavras, criar construir, e convencer uma ideia.

Pra encerrar. Deu no watsapp.

O humorista Jô Soares, falando sobre o humor ácido do Primeiro Ministro Britânico Winston Churchill [*1864+1965].

Um teatrólogo convida-o para assistir a estreia de sua peça, nestes termos:
“Convido-lhe para a primeira apresentação da minha peça. Venha. Traga um amigo, se tiver.”
Ele respondeu:
“Infelizmente não poderei ir à primeira. Mas irei à segunda. Se tiver.”

Uma amiga de Churchill, numa acalorada discussão detona:
“-Se você fosse meu marido, eu colocava veneno no seu café! 
Ele responde: -Se você fosse minha mulher, eu tomava!” 


Um ateu dialogava com um cristão. Taca-lhe a seguinte pergunta:

-Você acredita mesmo que o profeta Jonas foi engolido por uma baleia?
-Bom, quando eu estiver no céu eu pergunto pra ele.
-E se estiver no inferno?
-Nesse caso você mesmo pergunta. 

Fabio Campos 20 de Janeiro de 2018.