NOSSA GALERIA


                                                                   

COUSCOUS NO NATAL, POR QUE NÃO?

COUSCOUS NO NATAL, POR QUE NÃO?
Aproxima-se o tempo das confraternizações. Em torno de uma mesa,em torno de uma altar compartilhar o alimento, é natal. Os pares se dão a celebrar a vida. Em tempo de vacas magras, que tal no lugar do Chester, do Peru e do Panetone variar com um Cuscuz Marroquino, um Rabanada árabe?

“Então o que é o cuscuz? “Couscous” A palavra é originária do árabe kuskus, de pronúncia kaskasa, que significa ‘bater” ou “k’seksu berber” que significa “bem formado” ou “enrolado”. É prato tradicional do norte da África. Prato nacional da Argélia, Marrocos e Tunísia.

De que é feito o cuscuz? Principalmente de trigo duro que é terreno pra os demais ingredientes. Também é feito de outros grãos como cevada, milho, sorgo, arroz ou milho. É enrolado a mão em várias consistências. O cuscuz considerado bom é caracterizado pela finura e ausência de caroços depois de cozido. Fonte: luzesmhisterio.com.br

E a rabanada? Aquela iguaria natalina feita de pão dormido, embebido em leite ou vinho que é frito no óleo de soja quente e coberto com açúcar e canela em pó. Veja só a origem do nome:

"O vocábulo RABANADA vem do árabe e surgiu na Turquia. Um Grão Vizir morreu deixando considerável patrimônio. A família inteira foi ao sepultamento. E as brigas pela herança começaram mesmo nas exéquias. Eis que um filho bastardo, chamado Edmund chegou atrasado. Não tendo mais um centavo a herdar começou a lamentar chorando: “-Bur alá, num raba nada”. Traduzido do árabe: “Meu Senhor, não vou herdar nada” [naturalmente que isso é uma grande mentira!] Todo riram dele. Tempos depois Edmund montou uma padaria que fazia um pão, exclusividade dele. Daí denominaram em sua homenagem de RABANADA." Fonte: yahoo.com.br/respostas com adaptações e comentário do cronista.

“Pavê é um doce de origem francesa e seu nome deriva da palavra pavage (francês) que significa “pavimento” ou seja uma montagem de pedras e concreto que por sua vez, lembra às camadas de creme e biscoitos ou pedaços de bolo que compõem a sobremesa. Mais especificamente é uma espécie de torta gelada que tem como base biscoitos do tipo champanhe.

Patê do francês póté, de “pasta” são preparações culinárias cremosas, a base de carne, de peixe ou de vegetais, com vários condimentos que são consumidas como entrada duma refeição. Feito para comer com pão ou bolachas. Fonte: wikipedia.org.br”

Por esquecimento deixamos de citar noutra crônica, uma curiosidade sobre o sal. No quadro “A Última Ceia” pintado pelo italiano Leonardo Da Vinci[1452-1519], na frente de Judas Iscariotes há uma saleiro derramado. Na época, havia a superstição que derramar sal era um mau presságio.

Ao recitarmos a Ladainha a Nossa Senhora, chamamos a Ela de Mãe, de Santa, de Virgem e Rainha. São cinquenta exaltações. Mas também dizemos palavras, muitas das quais desconhecemos o significado.

“Insigne de devoção” insigne = adjetivo de dois gêneros; do Latim insignis-e o(a) que tem sinal particular, notado(a), notável; o que se distingue entre os demais, ignoto. Fonte: dicionariopriberam.com.br.

Há outros louvores na Ladainha que merecem esclarecimento. Exemplo “Sede de Sabedoria”, há fiéis que confundem a palavra “sede” [séde] = substantivo feminino, local de reunião; diferente de “sede” [sêde]= sensação associada a necessidade de água no organismo, vontade de beber, secura. Naturalmente o termo dirigido a Maria Santíssima é o primeiro.

E pra terminar. Coisas bem dos tempos atuais.

DEFINIÇÃO DE BLACK FRIDAY: 

"Gastar o dinheiro que não se tem, com o que não precisa, com um desconto que não existe.”

"O ladrão anuncia o assalto. O cara diz: -Só tenho R$ 50. O ladrão devolve R$ 25: -Desconto do Black Friday!”

FORO PRIVILEGIADO: 

“Joãozinho quer saber:
“-Pai o que é Foro Privilegiado?
-Os políticos em Brasília roubam. E não vão presos porque “foro” privilegiado.”

Fabio Campos, 25 de novembro de 2017.