Natália Cerqueira/CM59ff91ee 9992 427d bc3d 66e7fed3ce06Coletiva da esquerda alagoana

Em uma coletiva à imprensa que reuniu representantes de sindicatos, movimentos e partidos de esquerda na tarde desta quinta-feira, 13, o presidente do PT estadual, Ricardo Barbosa, anunciou que Lula (PT) virá a Alagoas e a outros estados nordestinos a partir do próximo mês. Ele também afirmou que o ex-presidente vencerá as eleições em 2018 e criticou o juiz Sérgio Moro.

“Se a justiça continuar abusando de sua autoridade, teremos um estado de exceção no País, não mais comandado por militares, mas por cidadãos vestidos de toga”, afirmou, ao discorrer sobre a sentença de Moro condenando Lula a nove anos e meio de prisão, por corrupção passiva e lavagem de dinheiro no caso envolvendo o tríplex do Guarujá.

Barbosa disse que os apoiadores do ex-presidente esperam que a sentença seja totalmente revertida nas instâncias superiores: “Porque é uma sentença política, dada por um juiz totalmente parcial e suspeito... Uma sentença para inviabilizar uma candidatura para as eleições de 2018”, frisou, acrescentando que a “perseguição” a Lula ocorre por ele estar muito à frente nas pesquisas para presidência.

Na análise do presidente do PT/AL, depois de serem vítimas de uma “ofensiva reacionária”, a tendência é que daqui para frente o partido e a esquerda em geral cresçam “no compasso do resgate dos movimentos de luta e reação contra o golpe”.

Outro a falar durante a coletiva, Nivaldo Mota, dirigente do PCdoB de Alagoas, também mirou em Sergio Moro, afirmando que Lula não pode ter seus direitos castrados por um juiz que “partidarizou a justiça do País”.

Sobre as viagens do ex-presidente para o Nordeste, o grupo evitou falar em campanha política e disse que o objetivo “é a luta conta a retirada dos direitos, contra a reforma trabalhista e o combate ao desmonte das políticas públicas”. Também foi defendido que a situação do País só pode ser revertida com o povo nas ruas.

Os demais oradores praticamente repetiram o discurso de “golpe”, da inocência de Lula em relação a todas as acusações imputadas a ele e de que não é possível crer numa justiça que “condena inocentes e não pune quem tem que punir”.

 

*Estagiária